A urgente necessidade de construirmos um muro de contençom antifascista e anticapitalista

A natureza das instituiçons do regime de 78 é puramente reacionária, eis a explicaçom da continua vulneraçom de direitos e liberdades que a nossa classe sofre.

Por Paulo Vila / Plataforma Antifascista Galega 

A pandemia do Covid 19 está acelerando cada vez mais a brutal ofensiva da oligarquia contra os setores populares. As medidas decretadas, de restrinçom e supresom de direitos e liberdades fundamentais, à vez que nom implememtam medidas sociais eficazes, provocam que aumente descontentamento da maioria da populaçom.

Nom invistem no reforçamento dos serviços públicos, nem garantem a saúde da classe obreira nos centro de trabalho e no transporte. Som medidas para salvaguardar os lucros da oligarquia e do gran capital, medidas visadas para aumentar o controlo e a obediência social.

No Estado espanhol a crise do coronavírus agravou umha situaçom que já era grave anteriormente. A vulneraçom de direitos e liberdades é umha constante, as montagens policiais e judiciais contra setores do povo trabalhador organizado, é algo que na Galiza nom nos é alheio.

Eis o caso da recente “Operaçom Jaro”, os herdeiros do TOP solicitam 102 anos de prisom para os 12 membros de Causa Galiza e Ceivar detidos em 2015. A finalidade desta montagem, é criminalizar umha parte do independentismo galego, à vez de que “avisam” o resto de organizaçons, que é o que pode acontecer se continuam fazendo atividade política dentro desses parámetros.

Algo semelhante aconteceu com a detençom de vários membros do entorno de Puigdemont e “Tsunami Democratic” há uns días na Catalunha. Neste caso a operaçom foi batizada pola guarda civil com o nome de “Volhov”, nome do rio russo, cenário da batalha que se saldou com a vitória dos fascistas da “División Azul” que colaborárom com o nazismo.

A apologia do fascismo por parte do aparelho policial nom é casualidade. Eis o resultado do que foi transiçom, um lavado de cara do franquismo, umha simples mudanças de nomenclaturas. Nom se depurárom os aparelhos de estado, polícia, guarda civil, exército, poder judicial, etc.

A natureza das instituiçons do regime de 78 é puramente reacionária, eis a explicaçom da continua vulneraçom de direitos e liberdades que a nossa classe sofre.

Além do fascismo institucional presente, a deriva reacionária do estado também avanzou com a pandemia. O setor mais terrorista e chauvinista da oligarquia impulsa partidos fascistas coma Vox, como ponta de lança para enfrentar o movimento operário.

O fascismo tenta encabeçar o descontentamento que há entre os setores populares aproveitando a crise do coronavírus, o falso discurso “antisistémico” consegue embaucar o povo trabalhador mais precarizado e empobrecido.

Os altercados dos últimos días constatam, como já podemos comprovar nesta segunda vaga de contágios, que se os setores do antifascismo nom começam a organizar-se quanto antes, o fascismo vai conseguir capitalizar esse descontentamento. Nom estamos frente a um fenómeno conjuntural e passageiro, é necessária umha resposta organizada para evitarmos que se fagam donos das ruas.

Eis o motivo polo decidimos constituir, há uns meses, a Plataforma Antifascista Galega, um espaço plural, inclusivo e transversal, que sem excluir ninguém, e com o denominador comum de combater o fascismo,  aglutina um mosaico de forças e organizaçons políticas e sociais.

Os nossos objetivos som denunciar a ameaça do fascismo e o seu projeto oligárquico, exigir a derogaçom das diversas normativas que propiciam o seu avanço (Lei de Amnistia, Lei Mordaça…), desputar a hegemonia cultural e ideológica entre os setores populares, etc. Todo está recolhido no programa reivindicativo de 17 pontos divulgados nas redes sociais.

Perante a gravidade da situaçom consideramos que som horas de tercer amplas unidades, horas de convergência antifascista.  Eis polo que a PAG conjuntamente com várias entidades e coletivos do antifascismo na Galiza, acordou iniciar este 2 de Novembro, umha campanha antifascista unitária para alertar, conscientizar e movimentar o povo trabalhador contra a ameaça fascista.

Também temos previsto convocar para o 20 de Novembro (45 aniversário da morte do ditador Francisco Franco e 84 da morte do fundador da Falange, José Antonio Primo de Rivera), concentraçons em diferentes localidades galegas.

Nom podemos olhar cara outro lado, o fascismo combate-se de frente. Som horas de constituir um muro abrangente de contençom antifascista e anticapitalista!

Be the first to comment

Leave a Reply

Tu dirección de correo no será publicada.




 

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.